Diário de Goiás divulga íntegra de Relatório da CPMI

Como pode ser visto no site, os arquivos estão dispostos em 5 partes:

http://diariodegoias.com.br/images/stories/documentos/MonteCarlo/1RelatorioCPMICACHOEIRAparte1pag00a1000.pdf

*

Parte 2:

http://diariodegoias.com.br/images/stories/documentos/MonteCarlo/2RelatorioCPMICACHOEIRAparte2pag1001a2000.pdf

*

Parte 3:

http://diariodegoias.com.br/images/stories/documentos/MonteCarlo/3RelatorioCPMICACHOEIRAparte3pag2001a3000.pdf

*

Parte 4:

http://diariodegoias.com.br/images/stories/documentos/MonteCarlo/3RelatorioCPMICACHOEIRAparte3pag2001a3000.pdf

*

Parte 5:

http://diariodegoias.com.br/images/stories/documentos/MonteCarlo/5RelatorioCPMICACHOEIRAparte5pag4001aanexos.pdf

*

Disponível em: http://diariodegoias.com.br/editorias/politica/1352-divulgada-a-integra-do-relatorio-da-cpmi-do-cachoeira-veja-aqui

Anúncios

Geovani confirma depósito na conta do vereador tucano José Maurício Beraldo

O site Brasil247 publicou uma matéria sobre a bancada Cachoeira na Prefeitura de Goiânia onde citava com justiça os vereados Elias Vaz (PSOL), Maurício Beraldo (PSDB) e Santana Gomes(PSD). Beraldo esperneou e disse que iria processar o site.

O blog neste momento mostra não apenas a reunião como também mostra o pagamento que Carlinhos fez ao vereador. Até a conta bancária do vereador, citada por Carlinhos e Geovani, foi tampada para não expô-lo.

*

Cairo de Freitas era chefe de gabinete do prefeito Paulo Garcia e já foi afastado do cargo.  Na reunião eles planejam atacar o prefeito através do Ministério Público por causa da obra no Mutirama.

Novamente o jornalista João Unes é citado nas escutas como tendo recebido dinheiro do contraventor.

 

 

Seis pagamentos mensais de Carlinhos ao Jornal Opção

As escutas da Operação Monte Carlo mostram que Carlinhos Cachoeira costumava fazer pagamentos ao Jornal Opção. O pagamento era ordenado por Cachoeira e executado por Geovani, seu tesoureiro. Numa das conversas Geovani afirma que já  era o sexto pagamento feito ao Jornal Opção apenas naquele mês.

O pagamento seria feito à Patrícia Moraes Machado, diretora-editora executiva e editora de Política do Jornal Opção. O motivo dos pagamentos são desconhecidos.

*

*

*

O blog já espera que Patrícia faça como Kajuru e diga que o dinheiro era apenas para publicidade e feita por uma empresa legal de Cachoeira, ainda que o depósito tenha sido feito por Geovani.

 

 

 

O jornalista Luís Costa Pinto, o Lulinha

Quem acompanha o blog sabe que existe um jornalista Lulinha que trabalhava como garoto de recados de Carlinhos Cachoeira na mídia e fazia algumas reportagens para o grupo.  Esse jornalista cobraria de 5 mil a 7 mil mensais do Cláudio, diretor da Delta.

*

Agora, descobrimos que a Polícia Federal sabe quem é Lulinha. Ele é Luís Costa Pinto. Já trabalhou no Jornal do Commercio, na Revista Veja, O Globo, Folha de São Paulo, Correio Braziliense e Revista Época. Há alguns anos passou a se dedicar à atividade de consultoria privada de comunicação e análise política. Escreve casualmente para o Leitura Crítica. Em 2010 Luís Costa Pinto coordenou a comunicação e a formulação de estratégia da campanha de Agnelo Queiroz (PT) ao governo do Distrito Federal.

*

Nas conversas fica claro que Luiz Costa Pinto estaria fazendo uma reportagem favorável ao prefeito Geraldo Messias (PP), um dos aliados de Carlinhos na política goiana.

 

A amizade e os negócios do senador Ataídes com Cachoeira

As escutas da Operação Monte Carlo mostram uma relação de grande amizade do senador Ataídes de Oliveira (PSDB-TO) com o contraventor Carlos Cachoeira. O senador empresta avião, marca encontros para tomar vinhos e fazer negócios de milhões.

A conversa mais intrigante no entanto é como o senador Ataídes publicou uma matéria jornalística no jornal O Estado de Goiás através de Carlinhos Cachoeira. A reportagem seria assinada por Marcos Viera.

O senador foi procurado em duas ocasiões para emprestar um avião para Carlinhos. Em uma delas é para Cláudio, diretor da Delta, ir ao local do acidente envolvendo a esposa de Fernando Cavendish, dono da Delta.

Em outra ocasião o senador marca um encontro com Carlinhos Cachoeira, Eliane Pinheiro- chefe de gabinete de Marconi Perillo e Wladimir Garcez. O assunto da reunião seria um negócio envolvendo “Paulinho” e o senador Ataídes onde Carlinhos Cachoeira ganharia R$ 7 milhões.

O senador também procura Carlinhos para saber o telefone do ator e deputado Stepan Nercessian. Marconi Perillo, Demóstenes, Gilmar Mendes novamente são citados nessas conversas.

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

Dadá era a “fonte” de Andréa Michael, ex-Folha de São Paulo

Andréa Michael é aquela jornalista que avisou Daniel Dantas sobre a Operação Satiagraha através da Folha de São Paulo. Na época o delegado queria a prisão preventiva da jornalista.

Agora sabemos que sua fonte era o Dadá, que também deve ser a fonte de todo o jornalismo investigativo no Brasil.

*

Marconi, Demóstenes, Carlinhos e o jornalista Cláudio Humberto

Carlinhos intermediou um negócio envolvendo Cláudio, o diretor da Delta, com o jornalista alagoano Cláudio Humberto. O jornalista estava incomodando ao falar das ligações da Delta com Sergio Cabral (PMDB), governador do Rio de Janeiro e Cláudio resolveu pagar o jornalista através de Marconi Perillo (PSDB).

Marconi Perillo tinha combinado com o jornalista Cláudio Humberto que ia levar uma empresa privada para ele. Cláudio Humberto faria uma mídia mensal para o grupo que ficaria por conta de Lulinha, aquele que entrega o material de Dadá para o Mino Pedrosa, que iria cobrar entre R$ 5 mil e R$ 7 mil para fazer uma coluna diária nesse jornal do Cláudio Humberto.

Essas conversas mostram que Marconi Perillo não apenas se encontrava com Carlinhos Cachoeira em ocasiões festivas como também o ajudava em vários negócios, até mesmo no pagamento de jornalistas através da Delta.

 

*

*