Marconi, Demóstenes, Carlinhos e o jornalista Cláudio Humberto

Carlinhos intermediou um negócio envolvendo Cláudio, o diretor da Delta, com o jornalista alagoano Cláudio Humberto. O jornalista estava incomodando ao falar das ligações da Delta com Sergio Cabral (PMDB), governador do Rio de Janeiro e Cláudio resolveu pagar o jornalista através de Marconi Perillo (PSDB).

Marconi Perillo tinha combinado com o jornalista Cláudio Humberto que ia levar uma empresa privada para ele. Cláudio Humberto faria uma mídia mensal para o grupo que ficaria por conta de Lulinha, aquele que entrega o material de Dadá para o Mino Pedrosa, que iria cobrar entre R$ 5 mil e R$ 7 mil para fazer uma coluna diária nesse jornal do Cláudio Humberto.

Essas conversas mostram que Marconi Perillo não apenas se encontrava com Carlinhos Cachoeira em ocasiões festivas como também o ajudava em vários negócios, até mesmo no pagamento de jornalistas através da Delta.

 

*

*

 

A trama envolvendo Mino Pedrosa

O envolvimento de Mino Pedrosa com Carlinhos Cachoeira já estava na cara.

O site Brasil247 mostrou trechos de escutas telefônicas que mostram isso, mas não mostrou todos os detalhes.

Nas conversas envolvendo Mino Pedrosa é mostrado que os promotores Wilton Queiroz de Lima e Libânio Alves Rodrigues informavam Dadá. Também fica claro que há um encarregado de passar as informações para jornalistas chamado Lulinha. Existe uma filmagem feita pelos arapongas com Sandro Avelar – secretário de segurança pública do Distrito Federal e Eric Sebba e esta filmagem deveria ser usada para chantagear os dois.

O vice-governador do Distrito Federal, Tadeu Filippelli (PMDB),  estava tramando contra o governador e pagava jornalistas para atacar Agnelo, como Edson Sombra e o próprio Mino Pedrosa com um salário de R$ 100 mil. Que a cunhada do Mino Pedrosa trabalha pro senador Demóstenes Torres e que Mino Pedrosa ganhou um apartamento de Carlinhos Cachoeira.

Carlinhos, no entanto, não considerava Mino Pedrosa um jornalista importante.

*

*

Os recados do deputado Fernando Francischini

Havia uma troca de informações entre o grupo de Carlinhos Cachoeira e o Deputado Fernando Fracischini (PSDB-PR). As informações eram passadas por um policial federal chamado Tomé para Idalberto, o Dadá, que informava o senador Demóstenes Torres.

Tomé aproveitava seu cargo para receptar e-mails e informar o grupo de Carlinhos. O ex-deputado Alberto Fraga(DEM-DF) estava chantageando o grupo, misturando informações sobre o grupo na internet em outras notícias. Outros dois que o grupo considera perigosos eram o jornalista Edson Sombra e Durval Barbosa,  que fez o vídeo do ex-governador Arruda.

Dadá alerta Carlinhos que o senador “nosso amigo” Demóstenes está ajudando o Fraga, que é um inimigo deles. Em uma das mensagens, Francischini pede ajuda com um negócio no Meio Ambiente no Governo do Distrito Federal envolvendo Marcelão.

O grupo também comenta que Francischini está mudando o título eleitoral para Brasília para candidatar à Governador.

*

*

*

*

*

*

*

*

Cachoeira encomenda programa adulto para Eduardo Siqueira Campos

A relação de extrema amizade de Eduardo Siqueira Campos, o verdadeiro governador do estado do Tocantins, com Cláudio da Delta e o contraventor Carlinhos Cachoeira está cada vez mais evidente.

Nessa conversa, cujo o aúdio infelizmente não tenho, Carlinhos conversa com uma garota de programa que irá encontrar o Eduardo.

Primo de Flávio Arns queria promover encontro de Beto Richa com Carlinhos

Um homem identificado pela Polícia Federal como “Marrula” – provavelmente Miguel Elias Hanna, o Miguel Marrula – disse a Lenine que é primo de Flávio Arns, vice-governador do Paraná e que estaria interessado em apresentar Carlinhos Cachoeira para Beto Richa.

Ele também diz que entrar no Paraná, pelo sistema “cocadinha”, era um negócio por também ter parentesco com o prefeito de Cornélio Procópio. Marrula ainda afirma que sua família nomeou o secretário de segurança.

Gilmar Mendes e o HC de Olavo Júlio Macedo

Olavo Júlio Macedo (PPS) é um prefeito afastado de Piraquê (TO). A Promotoria de Justiça de Wanderlândia ajuizou Ação Civil Pública (ACP) por ato de improbidade administrativa contra o prefeito Macedo. Esta é a 6ª Ação judicial proposta pelo MPE, sendo destas quatro civis e duas criminais. Entre elas, está a denúncia de coação de servidores públicos concursados a pedirem exoneração do cargo que ocupavam, por não terem apoiado sua campanha política.

Ele é acusado de fraude em licitação, desvio de recursos públicos para pagamento de empréstimos fraudulentos, prestação irregular de contas referentes ao exercício de 2005 e 2006, coação de testemunhas, entre outras ilicitudes. A pedido do MPE, o prefeito foi afastado no ano passado e chegou a ficar três meses preso.

Macedo havia retornado ao cargo no mês passado por meio de decisão unânime dos ministros da quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça- STJ. Os ministros do STJ acolheram o pedido de Habeas Corpus feito pelo advogado Wendel Oliveira, em defesa do prefeito afastado.

Curiosamente o HC de  Olavo Júlio Macedo foi um dos assuntos da quadrilha de Carlinhos Cachoeira. Nos diálogos o advogado Enei diz pra Gleyb continuar mantendo contato no STF, informa o número do processo e diz que o relator é o ministro Gilmar Mendes.

*

*

*

Numa consulta rápida ao site do STF encontramos o processo, exatamente com o mesmo número, e Gilmar Mendes realmente era o relator! Mas não foi o único HC pedido por Olavo que Gilmar julgou, há outros dois.

*

Gilmar Mendes não conseguiu liberar o prefeito nessa ocasião, por ir contra a jurisprudência. Mas curiosamente o STJ, algum tempo depois, por decisão unânime dos ministros, recolocou Olavo na prefeitura. Será que foi uma decisão meramente técnica e sem influência de Carlinhos Cachoeira?

7 novos arquivos que estavam no STF

Foram publicados pelo site Brasil247. São realmente chocantes!

Apenas na procura por “Marconi”, que sempre participa dos aniversários do Carlinhos, foram encontrados uma montanha de trambiques.

Têm até uma conversa sobre o Gilmar Mendes tentando reduzir a dívida da Celg em alguns bilhões de reais.

Mas vale lembrar que o total são de 15 arquivos. Ainda faltam 8 que estão em segredo.